DIÁLOGO, CRIANÇA, APRENDER, EDUCAÇÃO – CONVERSAS SOBRE SUAS INTERAÇÕES

_______________________________________________________

(2007, Introdução à Ciência da Informação, 1º semestre de graduação)

_______________________________________________________


Escopo

As teorias da Ação Comunicativa, de Jürgen Habermas, e das Múltiplas Inteligências, de Howard Gardner, embasam este ensaio. O diálogo, formador da personalidade desde a infância, se transforma a cada nível de interação social. Nessa diversidade de interações, é visível a força da lingüística e das competências intelectuais. Escola e educação apresentam-se como fundamentais para o aprender de acordo com tais elementos, fomentando a ação comunicativa de forma plural.

Ensaio

O diálogo constrói a vida. Com palavras, sem palavras… Os muitos diálogos do poema de Drummond nem sempre acontecem para todos, visto que cada indivíduo dialoga como lhe apraz, tal como escolhe a árvore que plantará em seu jardim. 

Rubem Alves compara isso a uma semente que, semeada, produz uma árvore, tornando-se então o “potencial de vida que precisa ser semeado para vir para fora”, brotar, crescer. Gardner, em sua Teoria das Múltiplas Inteligências, incentiva o cultivo dessas sementes (de inteligência), que se inicia no princípio da vida, quando a criança começa, segundo Habermas (1989), a conhecer o mundo sob diferentes perspectivas. A vida implica nesse conhecer contínuo, embasado pelo aprender – Andrade, Silva (2005).

[…]

Estimuladas as suas “forças pessoais”, pelo fomento da linguagem e do dialogar por diferentes formas, o indivíduo passa mais facilmente pelos (de acordo com Habermas) estágios de interação ao longo da vida.

Para se compreenderem os diálogos “com o semelhante, o diferente, […] o surdo-mudo, […] o inominado, […] com as idéias, o sonho, o passado” (DRUMMOND), e todos os outros mencionados pelo poeta, é preciso mais de uma inteligência. Para compreender tais mais de uma inteligências, é preciso aprender a conviver e a comunicar. Pode-se discorrer sobre esse tema por páginas a fio, sem denominar todas as possibilidades apresentadas pelas teorias da Ação Comunicativa e das Múltiplas Inteligências.  O limite, contudo, foi imposto. Espera-se que, como postula Gardner, o tempo dessas múltiplas inteligências tenha chegado (1994). E que assim, os tantos diálogos ultrapassem os muros de uma só poesia.

Fontes

ANDRADE, C. D. de. O Constante Diálogo. Poema.

GARDNER, H. Estruturas da Mente, A Teoria das Inteligências Múltiplas. Tradução: Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. 340 p.

HABERMAS, J. Consciência Moral e Agir Comunicativo. Tradução: Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989. 236 p.

PENSAMENTO Vivo de Rubem Alves. Gravação Audiopar Áudio e Multimídia. Curitiba: Nossa Cultura. 1 DVD (70 min).

Dados gerais

Orientação: Profª. Drª. Patrícia Zeni Marchiori

 

Mais…

Deixe comentários sobre o conteúdo (link abaixo)

Para obter o texto completo: ac.greef@gmail.com

___________________________________________________________


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: