INFORMAÇÃO E ESTRATÉGIA NO AMBIENTE ACADÊMICO: PLANO ESTRATÉGICO PARA GRUPO DE PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

04/11/2009

_______________________________________________

(2009, Informação e Estratégia, 5º semestre de graduação)

_______________________________________________

Escopo

Plano estratégico para o Grupo de Pesquisa Aplicada em Ciência, Informação e Tecnologia (GrupoCIT), visando oferecer-lhe um posicionamento de destaque no ambiente em que atua, por meio de eficiência, eficácia e efetividade de ações e decisões.

Premissas

Recursos e relacionamentos mantidos pelo GrupoCIT têm quantidade, qualidade e características suficientes para encaminhá-lo à eficiência, em termos de utilização e aproveitamento; à eficácia, em termos de participação ativa no ambiente acadêmico-científico; e à efetividade, em termos de reconhecimento e posicionamento destacado nesse mesmo ambiente.
Um planejamento estratégico explícito auxilia o Grupo a determinar objetivos, indicadores e metas para atingir melhor posicionamento no mercado, e a alinhar operações, táticas e decisões aos mesmos objetivos.

Métodos

O plano estratégico foi elaborado por meio de diagnóstico ambiental externo e interno ao Grupo de Pesquisa, aplicação de ferramentas como Cadeia de Valor de Porter, Cinco Forças de Porter, Competência central e SWOT. Foram analisados também o portfólio de projetos, o contexto de colaboração e a dinâmica competitiva do ambiente do Grupo.

A situação foi analisada e a estratégia foi formulada estabelecendo-se missão, visão, valores e objetivos do Grupo, fatores de diferenciação e colaboratividade, riscos associados, dimensões e objetivos estratégicos. Para controle, foi aplicado o modelo Balanced ScoreCard e foram mapeados os recursos necessários à implementação efetiva.

 

Produto: plano estratégico

O plano estratégico elaborado visa que o GrupoCIT tenha uma abordagem de diferenciação no ambiente acadêmico, com foco em alavancar seus recursos com maior potencial de vantagem competitiva e ter uma imagem sólida interna e externamente.

As dimensões e objetivos estratégicos foram mapeados em conjunto com o Grupo e ajustados às suas necessidades, conforme apresentado na Figura:

 

Objetivos e perspectivas BSC

Objetivos e perspectivas BSC

 

 

Reflexão e considerações

O plano estratégico está sendo revisto, atualizado e implementado no GrupoCIT, atualmente. Os integrantes (docentes e discentes) mostram-se favoráveis às mudanças culturais advindas do plano e dispostos a colaborar no processo.

O gestor da informação tem, na elaboração de planos estratégicos, um grande desafio nas organizações. Para tanto, tem a competência de identificar aspectos significativos presentes no ambiente que as envolve, bem como necessidades dos níveis operacional, tático e estratégico das organizações. Com apoio gerencial e abertura para tanto, pode desenvolver trabalhos efetivamente adequados às necessidades do cliente/usuário.

Dados gerais

Orientação: Prof. Dr. Newton Corrêa de Castilho Jr

Equipe*: Ana Carolina Greef; Francisco Daniel de Oliveira Costa.

*os autores estão cientes e de acordo com a puublicação deste conteúdo

Mais…

Deixe comentários sobre o conteúdo (link abaixo)

Para obter o texto completo: ac.greef@gmail.com

____________________________________________________________

Anúncios

PLANO DE MARKETING: FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CUMPRIMENTO DA MISSÃO DE NEGÓCIOS DO ETT UFPR

03/11/2009

Projeto em discussão

_______________________________________________

(2009, Informação e Marketing, 3º semestre de graduação)

_______________________________________________

Escopo

Plano estratégico para viabilizar o cumprimento da missão de negócios do Escritório de Transferência de Tecnologia (ETT) da UFPR, criando canais de comunicação de marca e insumos para agregar valor aos serviços prestados pelo ETT.

Premissas

O ETT não atinge todo seu potencial de clientes e, quando atinge, não acompanha o andamento das parcerias, realizando apenas o contato inicial entre empresas e a Universidade. Sua missão e objetivos de negócio possibilitam uma atuação além desse simples contato, onde um planejamento, explícito, de marketing, é ideal para reverter tal realidade.

O ETT possui potencial para incrementar suas campanhas de comunicação de marketing e de transferência de tecnologia. Inerentes a esse potencial são as tendências, necessidades e crescimento de mercado.

Métodos

O plano estratégico foi elaborado a partir de contato com o Escritório, para identificação da realidade de sua atuação e brainstorm inicial sobre o produto do projeto.

Analisou-se o mercado, concorrência, oportunidades e ameaças da atuação do ETT, bem como forças e fraquezas internas, canais de comunicação, serviços, mix de marketing e distribuição.

Produto: plano estratégico

O plano estratégico de marketing criado para o ETT aborda a comunicação do serviço prestado, lembrando clientes atuais, anteriores e potenciais de sua existência. Planejou-se que a resposta do mercado-alvo seria obtida na seguinte linha de progressão:

| conscientização da marca

| conhecimento sobre algo em relação à marca

| opinião sobre a marca

| satisfação e percepção da qualidade da marca

Foram planejados um sistema de informação para apoio à execução do plano e controles de planos de ação, mudança de cultura do serviço e orçamento a ser investido para implementação.

Reflexão e considerações

Hoje o ETT é parte da Agência de Inovação Tecnológica da UFPR, em cujo âmbito o plano desenvolvido está sendo analisado para implantação. O planejamento estratégico oferece às organizações maior certeza quando da tomada de decisão e mostrou-se essencial para que o ETT pudesse ter um posicionamento mais efetivo em seu mercado e comunicar adequadamente a marca da Universidade a empresas parceiras em potencial.

Dados gerais

Orientação: Prof. Dr. Newton Corrêa de Castilho Jr

Equipe*: Ana Carolina Greef; Camila Manfrinatto; Florindo Rhaoni Picoli; Francisco Daniel de Oliveira Costa.

*os autores estão cientes e de acordo com a puublicação deste conteúdo

Mais…

Deixe comentários sobre o conteúdo (link abaixo)

Para obter o texto completo: ac.greef@gmail.com

____________________________________________________________


CORPO DE CONHECIMENTOS EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO: BENEFÍCIOS DE NEGÓCIO

02/11/2009

___________________________________________

(2008, Gestão de Projetos, 4º semestre de graduação)

___________________________________________

Escopo

Estudo e discussão de benefícios de negócio advindos da adoção de Tecnologias de Informação e Comunicação para gestão informacional.

Discussão

A Gestão de Projetos e de Processos conforme as necessidades dos stakeholders capacita a organização a conceber, implantar e usar aplicações inovadoras de Tecnologia da Informação – benefícios de negócio.

Esses benefícios podem ser a Eficiência, a Eficácia, a Evolução, Resultados financeiros ou Informações que auxiliam na tomada de decisão.

Para isso, é preciso —entender necessidades e expectativas dos usuários, —comprometer-se com aquisição e desenvolvimento competentes de produtos,  e —gerenciar entregas dos benefícios de modo pró-ativo.

Isso se dá por uma abordagem em cinco etapas:

| definição, categorização e estruturação de benefícios; —

| planejamento de união desses a projetos de melhoria de processos; —

| alocação de responsabilidades; —

| monitoramento e mensuração; —

| busca por benefícios adicionais.

Paralelamente, a organização deve perguntar-se: —qual(is) tecnologias usar? o —benefício vem da tecnologia ou do processo de uso dela (pessoas)? —como benefícios agregam valor aos propósitos estratégicos da organização?

Como fatores críticos de sucesso da inclusão de benefícios de negócio em gestão da informação com tecnologia, as organizações devem:

| rever constantemente o plano de benefícios de negócio e sua correspondência às necessidades dos stakeholders;

| documentar sucessos e fracassos;

| utilizar adequadamente as tecnologias para extrair o máximo possível de benefícios;

| administrar tanto os quantitativos como os qualitativos;

| tomar decisões sobre gestão da informação e de tecnologias juntamente com todos os interessados dentro da empresa.

 

 

Fontes

—BYTHEWAY, A. The information management body of knowledge – IMBOK. 1 set. 2004. — —

DAVENPORT, T. H. Saving IT´s soul: human-centered information management. Harward Business Rewiew, mar./apr. 2004.

—HAUNSCHILD, P.; CHANDLER, D. Institutional-level learning: learning as a source os institutional change. The SAGE handbook of organizational institutionalism, cap. 26. — —

RAY, G.; MUHANNA, W. A.; BARNEY, J. B. Competing with IT: the role of shared IT-business understanding. Communication of the ACM, dec. 2007, v. 50, n. 12. — —

SCHRAGE, M. The real problem with computers. Harward Business Rewiew, set./oct. 1997.

 

Dados gerais

Orientação: Prof. Dr. José Simão de Paula Pinto

Equipe*: Ana Carolina Greef; Camila Manfrinatto; Florindo Rhaoni Picoli; Francisco Daniel de Oliveira Costa

* os autores têm plena ciência e acordo da publicação deste conteúdo

Mais…

Deixe comentários sobre o texto (link abaixo)

Para obter o texto completo: ac.greef@gmail.com

_____________________________________________________


CONSULTORIA EM REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS: PLANO DE NEGÓCIO

02/11/2009

___________________________________________

(2009, Gestão de Negócios, 5º semestre de graduação)

___________________________________________

Escopo

Plano de uma empresa que oferece serviços de consultoria em projetos de eventos científicos por Instituições de Ensino Superior privadas de Curitiba, reduzindo o nível de esforços despendidos por essas IES quanto ao planejamento e execução de tais eventos.

Premissas

Organizar eventos científicos demanda das Instituições de Ensino Superior o investimento de competências e recursos difíceis de se obter e cujas melhores práticas surgem apenas com a experiência. Essa experiência aliada à gestão de recursos de informação e de conhecimento oferece maior eficiência e produtividade aos empreendimentos.

Produto: O Plano de negócio

Foi desenvolvido o plano completo do negócio de consultoria em projetos de realização de eventos científicos oferecida a IES de Curitiba, contendo os seguintes aspectos:

| RAMO DE ATIVIDADE

 

| OBJETIVO

 

| CONSUMIDORES

 

| INVESTIDORES

 

| ESTRUTURA CONCORRENCIAL

 

| ESTRUTURA E RECURSOS MÍNIMOS NECESSÁRIOS

 

| PREVISÃO DE NEGÓCIOS

 

| ESTRUTURA FUNCIONAL

 

| FINANÇAS

 

| DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA AO REGISTRO DO ESCRITÓRIO

 

| PRINCIPAIS SERVIÇOS

 

| CONTROLE DE QUALIDADE E MELHORES PRÁTICAS

 

| GESTÃO DA INFORMAÇÃO

 

| ESTRATÉGIA

 

| CICLOS DE ATIVIDADE / FUNCIONAMENTO

 

| LEGISLAÇÃO E REGULAMENTAÇÕES PERTINENTES

 

| CLASSIFICAÇÃO DO NEGÓCIO

 

| OUTRAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO

 


Reflexão, Considerações

O plano foi construído sobre os pilares da objetividade e competitividade, constituindo um documento passível de apresentação a investidores interessados na idéia. A experiência em organização de eventos científicos representou a principal motivação para a escolha do tema.

A capacidade em elaborar documentos com visão de mercado foi aprimorada e aplicada, sendo mais uma das competências do gestor da informação a ser explorada pelo mercado.

Dados gerais

Orientação: Prof. Dr. José Simão de Paula Pinto

Equipe*: Ana Carolina Greef; Francisco Daniel de Oliveira Costa

* os autores têm plena ciência e acordo da publicação deste conteúdo

Mais…

Deixe comentários sobre o texto (link abaixo)

Para obter o texto completo: ac.greef@gmail.com

_______________________________________________________________


CONTRIBUIÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ORGANIZACIONAIS

25/10/2009

Projeto implementado _______________________________________________

(2007, Sistemas de Informação,  2º semestre de graduação)

__________________________________________

    Escopo

    Organizar o acervo de material didático-pedagógico do Instituto Cultural Brasil Alemanha, de ensino da língua alemã, aprimorando os processos de manipulação desse material e de avaliação da rotatividade e demandas dos usuários (alunos e professores). Analisar, diante de tais variáveis, a aplicabilidade de um sistema de informação para melhor controle sobre o material supracitado.

    Premissas

    O crescente fluxo de informação nas organizações demanda otimização dos processos de seu gerenciamento, agregando assim maior competitividade às mesmas organizações. Sistemas de informação vêm oferecer suporte nesse sentido, reduzindo custos operacionais de manipulação de dados e disponibilizando ferramentas para tomada de decisão, como relatórios gerenciais.

    Métodos

    Junto aos usuários do futuro sistema na organização, identificou-se funções, estruturas e operações que esse deveria atender: gerar relatórios para prestação de contas, ser de fácil manipulação e atualização, oferecer praticidade, acessibilidade e segurança.

    A seguir, foram mapeados os fatores críticos de sucesso para adequação da ferramenta aos usuários e seleção do sistema ideal para implantação: um sistema de processamento de transações para controle operacional e informatização dos procedimentos de coleta/ digitalização, validação, armazenamento, indexação, consulta e geração de relatórios.

    Análise

    A melhor alternativa para o Instituto seria um sistema já estruturado, preferencialmente disponível gratuitamente à organização, uma vez que essa não tem fins lucrativos e dificilmente poderia adquirir uma solução paga ou desenvolver a sua própria.

    Analisou-se os processos organizacionais relativos ao sistema para confecção do Diagrama Entidade-Relacionamento, Fluxo de dados e de Identificação.

    Diagrama identificacao

    Diagrama identificacao

    Produto: identificação do sistema de informação ideal

    Selecionou-se um software freeware projetado para gestão de acervo em bibliotecas, com módulos de: empréstimo, reservas, verificação de pendências, multas, e emissão de histórico de documentos, movimento diário, entre outros; controle de usuários e documentos (relatórios, consultas e edição); consultas – busca por autor, título, código, assunto, série, entre outros; relatórios – listagens de documentos ordenados de diversas formas; estatística – dimensão do acervo e do banco de dados dos usuários.

    Implementação

    O software foi implementado no Instituto, juntamente com fatores críticos de sucesso para seu uso efetivo, sugeridos pela equipe: inserção na página Web do Instituto, backup periódico do conteúdo, análise de relatórios extraídos do sistema e adequação do acervo às constatações. Um tutorial foi elaborado para familiarização dos usuários com o novo sistema de informação. Atualmente o Instituto tem seu acervo controlado e gerenciado de maneira ótima e em conformidade com os processos de negócio.

    Dados gerais

    Orientação: Prof. Dr. Newton Corrêa de Castilho Junior

    Equipe*: Ana Carolina Greef; Camila Manfrinatto; Florindo Rhaoni Picoli; Francisco Daniel de Oliveira Costa

    * os demais autores têm plena ciência e acordo da publicação deste conteúdo

    Mais…

    Deixe comentários sobre o conteúdo (link abaixo)

    Para obter o texto completo: ac.greef@gmail.com

    ___________________________________________________________